Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


calendário

Março 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Pesquisar

 

Mais sobre mim

foto do autor



Mensagens

subscrever feeds


Comentários recentes


Notas




Visitas

Flag Counter by Stats4U Show Stats for this Counter



“Porta para o Submundo” revela florestas antigas

Sexta-feira, 31.03.17

Segundo uma nova pesquisa, uma das maiores crateras da Sibéria, conhecida como a “porta para o submundo” pelo povo nativo Jakutian, está crescendo tão depressa que antigas florestas e carcaças de 200 mil anos estão sendo descobertas.  

 

A “Porta do Inferno” é conhecida oficialmente como Batagaika e é um tipo de solo que é caracterizado por ter superfícies irregulares com cavidades alagadiças causadas pelo derretimento do permafrost, ou pergelissolo, que é o tipo de solo encontrado na região do Árctico. Nos últimos anos, muitos desses buracos têm aparecido pela Sibéria, mas os pesquisadores acreditam que essa possa ser uma espécie de anomalia.

A cratera Batagaika é a maior desse tipo existente no mundo, com quase 1 km de comprimento e 86 m de profundidade, está localizada a cerca de 660 km da capital da Sibéria, Jakutsk. Uma pesquisa do Instituto Alfred Wegener na Alemanha apresentada no ano passado por Frank Günther revelou que a cratera está em crescimento contínuo e aumentou em média 10 m por ano. Nos anos em que temperaturas maiores foram registadas, o crescimento foi de até 30 m por ano.

A formação desta cratera teve início após uma grande parte da floresta local ser desmatada em 1960. Como solo não fica mais sombreado nos meses mais quentes do verão, consequentemente o permafrost derreteu fazendo com que a terra entrasse em colapso. No ano de 2008 aconteceram grandes enchentes na região, o que fez o derretimento piorar, aumentando o tamanho da cratera.

Apesar disso tudo, existe um lado bom nessa história. Um estudo realizado por pesquisadores, relatou que as camadas da cratera podem revelar informações climáticas superiores a 200 mil anos. Antigas amostras de pólen, restos congelados de um boi, um mamute, um cavalo de 4.400 anos e restos de florestas enterradas apareceram com o colapso desta cratera. Esses sedimentos descobertos podem ser úteis para entender como o clima na Sibéria mudou no passado e como pode mudar no futuro.

A última vez que aconteceu essa queda no nível de gelo no local foi há 10 mil anos, quando a Terra entrou em transição na última "Era de Gelo".  

 

O local de Batagaika contém uma sequência notavelmente grossa de depósitos de permafrost, que incluem duas camadas ricas em madeira interpretadas como camadas de floresta que indicam climas passados tão quentes ou mais quentes do que o de hoje”, disse o pesquisador Julian Murton, no ano passado. As idades exactas dos sedimentos que foram expostos na cratera Batagaika não são totalmente conhecidas e cientistas e pesquisadores estão planeando perfurar a região para colectar mais amostras e compreender melhor o que realmente aconteceu no passado.

 

Temas relacionados:

CAVERNAS ANTIGAS DA SIBÉRIA REVELAM-SE MINAS DE ANTIBIÓTICOS

CHINA: LABIRINTO E GRUTAS MISTERIOSAS

MARAVILHAS MUNDIAIS: VISITAR O LAGO BAICAL

 

Fonte:

Jornal Ciência

Autoria e outros dados (tags, etc)

A água é de todos







Pág. 1/22