Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


calendário

Julho 2017

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Pesquisar

 

Mais sobre mim

foto do autor



Mensagens

subscrever feeds


Comentários recentes

  • Anónimo

    MUITO INTERESSANTE!

  • Anónimo

    Agir de forma realista, e esperar que o tempo reve...

  • Anónimo

    Desde que a ajuda não tenha motivos escondidos.......


Notas




Visitas

Flag Counter by Stats4U Show Stats for this Counter



Os invernos vão ser mais rigorosos?

Terça-feira, 11.07.17

Como mostram as observações das oscilações solares, o nível da atividade magnética no núcleo do Sol tem diminuído significativamente nos últimos anos, atingindo os mais baixos indicadores de sempre e sendo este um sinal das mudanças irreversíveis no astro, diz-se no artigo, publicado na revista MNRAS.

Um pôr do sol em Carauari, em 21 de agosto de 2015

A atividade solar é definida pelo número de manchas e explosões na superfície do Sol, bem como pelas mudanças do campo magnético do astro. O ciclo solar é de aproximadamente 11 anos. Este período é caracterizado por tempestades geomagnéticas mais fortes e frequentes, que causam tanto problemas técnicos, como afetam a saúde das pessoas.

Os cientistas explicam que, há pouco tempo, o Sol estava na fase do chamado máximo solar, sendo sua atividade mais alta do que a norma de muitos anos. No entanto, o ciclo atual, o 24º, que começou em janeiro de 2008, veio a ser extraordinariamente fraco, fazendo com que os astrônomos chegassem a pensar que o Sol teria entrado em "hibernação", mas o reinício de sua atividade em 2015 excluiu tal possibilidade.

Como mostraram as observações, no fundo do corpo celeste está acontecendo de fato algo extraordinário. Assim, as fotos do BiSON indicam que a camada, onde surgem campos magnéticos perto da superfície, está cada vez mais fina, o que afetou o comportamento das manchas na superfície solar.

 Além disso, mudou a maneira com que a superfície solar se movimenta — nos últimos dois ciclos a rotação do sol nas regiões pertos dos polos.

Cientistas ainda não sabem a razão destas anomalias, bem como se elas continuarão acontecendo no próximo ciclo, que começa em dois anos.

Caso as tendências do 24º ciclo continuem, então, de acordo com os astrônomos, é provável que se repita o mínimo de Maunder, o período da atividade extremamente baixa no Sol entre 1645 e 1715, com o qual associam os invernos mais rigorosos e longos que coincidiram com o fenômeno espacial.

 

Temas relacionados:

AQUECIMENTO GLOBAL OU EM QUE FICAMOS?!

 

Fonte e foto:

sputnik

Autoria e outros dados (tags, etc)

A água é de todos