Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


calendário

Junho 2017

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Pesquisar

 

Mais sobre mim

foto do autor



Mensagens


Comentários recentes

  • Ciêncianazis

    Eu já não me interesso mais pela ciência atual com...

  • Arrefecimento GLOBAL

    O passado mês de agosto e também este mês foram do...

  • joão

    Fan...tástico. Mais barato ....e sem cheiro(s)João


Notas




Visitas

Flag Counter by Stats4U Show Stats for this Counter

Blogsportugal



O professor que aboliu os TPC, os exames...

Quinta-feira, 22.06.17

Adelino Calado é diretor do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, mas não é um diretor comum: pôs em prática medidas inovadoras que transformaram uma escola quase em extinção num sítio onde é bom aprender.

 

Na direção do Agrupamento de Escolas de Carcavelos desde 2003, ‘orquestrou’ medidas como acabar com os TPC, eliminar os toques de entrada, esquecer os exames, admitir os telemóveis na aula, que mudaram totalmente a escola e os seus alunos. Mas diz que já faz isso ‘há anos’ e que ‘só agora é que parece que é novidade’.
Novidade ou não, é sempre bom falar em certos assuntos. Ele concorda. “Temos quase 2 mil alunos, 150 deles com necessidades especiais, muitos com subsídio, somos uma escola pública, e a prova de que com trabalho e criatividade se consegue resolver muitos problemas.” Faz questão de me mostrar a escola toda (agora deserta porque estamos nas férias da Páscoa). Subimos e descemos degraus (ele com mais ligeireza que eu, bem se vê que é de educação física). Aqui é a sala de física, ali o laboratório, aqui a sala de ensino especial, aqui a sala de ensino profissional artístico, aqui a biblioteca, aqui o pavilhão desportivo, aqui o campo de jogos, aqui onde se guardam os barcos (há uma escola de atividades náuticas). A cafetaria é enorme. E tem televisões. Quero andar nesta escola. Posso vir aqui almoçar, ao menos?
Ele ri-se. Quando veio para cá, a escola não era nada bem frequentada. “Comecei a fumar para me enturmar com os ‘gangues’”, ri-se. Para ele, a relação com os alunos é a base de qualquer escola. “Hoje em dia, esta é a casa das crianças. Há miúdos que ficam aqui até à noite…” Mas nem todas as escolas são uma ‘casa’, como esta.

Começou como atleta e depois professor de educação física…
Ainda sou. Acabei o curso em ‘71, e fui para professor porque era a área com mais saída. Também estive sempre ligado à formação de treinadores. Só saí desta escola por dois anos, para abrir a Frei Gonçalo de Azevedo, mas voltei logo depois. Em 2003, quando a diretora saiu, candidatei-me com uma boa equipa e um projeto totalmente novo.

Como era esta escola, nessa altura?
Muito má. Dávamos apoio a bairros muito carenciados, recebíamos miúdos que ninguém queria, havia imensos problemas disciplinares, uma taxa de retenção enorme, e a escola estava quase em extinção. Portanto, o primeiro objetivo foi acabar com as retenções.

Foi aí que entrou aquela medida do ‘toda a gente passa’?
Foi aí, foi. Mas essa expressão é de um jornalista, não é minha. É um exagero, embora a retenção hoje seja de facto residual. A questão era: não fazia sentido estar a passar alunos que depois não aprendiam nada. Alguém come um prato de sopa fria? Não. E também não se aprende matéria ‘requentada’. Isto qualquer pessoa percebia que não funcionava. Então porquê insistir numa coisa que não funciona? E os maiores problemas disciplinares vinham precisamente de repetentes. Por isso, usou-se a lógica e o bom senso. E sem nunca fugir à legislação – não temos uma única medida fora da lei – começámos a procurar outras soluções: porque as há, não são é postas em prática. Uma delas foi evitar ao máximo as retenções. Ora não retendo, tínhamos de dar mais apoio para que aqueles miúdos conseguissem acompanhar os outros. Mas não chegava. E havia, na lei, outras opções para eles: cursos profissionais, currículos alternativos, outro tipo de ofertas que podiam estar à disposição. E foi tudo isso que passámos a oferecer, a par de muito mais apoio nas aulas.

Como é que passando um aluno faz diminuir a indisciplina?
Dantes a mentalidade escolar era esta: se o aluno estuda, ao fim do ano tem um prémio e passa, se o aluno não estuda, ao fim do ano tem um castigo e chumba. O que é que acontece com este esquema: o aluno que chumba, no ano seguinte é o mais velho da sua turma. Tem o poder e a aura dos malcomportados, e torna-se no líder que não era. Depois, já ouviu a maioria das matérias, portanto tem o trabalho facilitado e não se esforça. Pelo contrário, se transitar com os outros, tem de fazer um duplo esforço: o mesmo que os outros, mais o trabalho que deixou para trás. Portanto, não se torna um revoltado, não se torna um líder, e é obrigado a trabalhar mais. Outra coisa que reparámos era que mais de 90% dos problemas disciplinares aconteciam à sexta à tarde, quando os miúdos estavam mais cansados. Por isso, até hoje não temos aulas à sexta de tarde.

Os pais foram envolvidos nisto?
Sim, principalmente ao princípio. Chamámos todos eles, e sempre que não vinham, tinham falta. Quando um miúdo levava um papel amarelo a lamentar que o pai não tenha comparecido, aquilo fazia mossa. E teve muito impacto. Hoje temos uma assembleia de pais de três em três meses, e de alunos de mês a mês. Porque uma das coisas de que os miúdos mais se queixavam era de não serem ouvidos. Portanto, fomos ouvi-los. Hoje, todas as turmas se juntam, cada turma uma vez por mês, e todas uma vez por ano. No início, as assembleias eram na base do ‘alguém quer dizer alguma coisa?’, mas depois eles só falavam de coisas básicas, do tipo ‘falta papel higiénico’ (risos). Agora as coisas já são mais elaboradas: ‘um professor pode avançar na matéria e deixar alunos para trás?’ E isto não pode ser respondido de ânimo leve. Por isso, eles entregam estas perguntas por escrito oito dias antes da assembleia.

O que foi mais importante mudar?
A autonomia dos miúdos. Todos me diziam que eles não se empenhavam e que não eram autónomos. Por isso, fomos trabalhar a área da autonomia. Por exemplo, nas escolas com pré-escolar, os pequeninos assim que chegam marcam eles próprios o seu almoço. Os pais diziam-me – Ó professor, mas eles têm 3 anos! – Então mas já sabem fazer um risco, ou não? Portanto, até esses quando chegam vão logo fazer o seu risquinho na folha do almoço. E por aí fora. Com os mais velhos, deixámos de ter toques de campainha, e são eles os responsáveis pelo livro de ponto.

E chegam a horas às aulas?
Temos apenas 0,7% de atrasos. Porquê? Porque chegar atrasado aqui à escola é um pincel. Se chegam tarde têm de ir à biblioteca buscar um papel para fazer o relatório explicando porque chegaram atrasados, ir ao Gabinete do Aluno, que é longe, telefonar aos pais e lê-lo, e voltar à direção para carimbar a explicação e entrar na aula. Quando são pequenos e a culpa dos atrasos é dos pais, estes têm de explicar por escrito a razão do atraso. Ninguém gosta, embora haja respostas criativas. Uma vez tive um pai zangado que respondeu – Caiu-me um ovni à frente do carro. Chamámos cá o pai, ele veio e tinha à espera dele sete elementos da escola e o filho. Não foi preciso dizer mais nada. Hoje não temos atrasos.

Trazer o telemóvel para a aula também faz parte dessa autonomia?
Pois claro. O aluno pode usar o telemóvel na aula para ir à internet, para filmar, para tirar uma fotografia ao quadro, por exemplo. À vontade. Se um professor não quiser, pode não autorizar. Mas, em geral, deixam, porque há bom senso. Os alunos sabem exatamente qual é o limite. Por exemplo, se mandarem mensagens sem autorização, são imediatamente suspensos.

Já aconteceu?
Já. Desde setembro, foram 15 alunos para casa, dos quais 14 meninas do 8.º ano (risos). Mas é normal, o 8.º é o ano do confronto, querem testar regras.

E como é que acabou com os TPC?
É preciso dizer que todas estas regras só passam se forem aprovadas por maioria. Eu não imponho nada, só proponho. Antes de abolirmos os trabalhos de casa, andámos seis anos a testar hipóteses. Por exemplo, dividimos os alunos em turmas com trabalhos de casa e turmas sem trabalhos de casa, para confirmarmos se havia diferenças de rendimento. Não havia. Nenhumas. Ao fim de seis anos de testes, fiz a proposta de proibir os trabalhos para casa no primeiro ciclo. Tive uma surpresa: o conselho geral propôs abolir em todos os anos. E avançámos. A grande questão não foi acabar com os TPC, mas acabar com trabalhos como uma obrigação e um castigo. O trabalho em casa é fundamental: mas temos de encontrar formas de motivá-lo sem mandar trabalhos obrigatórios, valorizando o trabalho autónomo.

Como é que isso se faz?
No início do ano, pedimos aos pais para comprar ao filho um caderno de trabalho autónomo. Mensalmente, o professor pergunta quem quer mostrar o que fez. E o que surge é espetacular! Eles trabalham mesmo porque querem. Dizem que quando havia TPC, faziam o que a professora mandava. Agora, trabalham eles próprios no que sentem que têm mais dificuldades. E ninguém anda em cima deles em stresse, nem pais nem professores. Claro que tornar as aprendizagens significativas dá muito mais trabalho ao professor, que tem de lhes mostrar que aquela informação é importante.

Fazia os trabalhos de casa com os seus filhos, quando eram pequenos?
Normalmente, não os deixava fazê-los. Dizia aos professores que não havia tempo. Os miúdos entram às 8 da manhã, saem às 8 da noite, levam trabalhos para fazer quando?

Então e a parte de não haver exames?
E não há. Aquilo que queremos saber é se o aluno aprendeu ou se não aprendeu. No final de cada período há um teste de aferição, para ver se os alunos aprenderam. Mas não tem a ver com os testes normais que nós fazíamos. Normalmente, o que se fazia era dar matéria e depois avaliar conhecimentos. Mas nós não avaliamos conhecimentos, avaliamos aprendizagens. Por exemplo, quando um aluno meu faz uma cambalhota, eu corrijo no momento e a cada uma. Não treino dez vezes e um mês depois vou ver se faz bem ou mal. Portanto, avaliamos cada aprendizagem na altura, não deixamos matéria para trás, e se não aprendeu, vamos ver como é que pode aprender. Por outro lado, aceitamos o erro. Temos imensa dificuldade em fazer isso, porque culturalmente castigamos o erro em vez de o permitir e de trabalhar com ele. Por exemplo, eu sou um nabo com telemóveis, e muitas vezes peço ajuda aos alunos. Porque é que acha que eles são bons em tecnologia?

Porque já nasceram assim?
Não. Porque não têm medo de mexer na ‘máquina’, andam ali imenso tempo a mexericar em tentativa e erro. Nós, adultos, temos medo de fazer asneiras. Fomos educados assim. Portanto, aqui não penalizamos o erro, partimos dele. O problema é que nós achamos que devemos proteger muito as criancinhas e facilitar-lhes o trabalho. Não é facilitando que se aprende.

Qual é o papel do professor?
Um miúdo de dez anos hoje tem mais informação do que tinha um imperador romano. Não está é ordenada, e é uma confusão de todo o tamanho naquelas cabeças. Portanto, um professor hoje tem de orientar mais do que ensinar da maneira tradicional. Só que isso obriga-nos a nós, professores, a reformular o nosso pensamento e a nossa ação. Acho que devemos ser treinadores mais do que professores.

Como reagiram os pais a tudo isto?
Em 2003, quando disse que não havia mais exames, quase tive de chamar a polícia. Mas acabaram por perceber que os nossos métodos funcionavam, e que não haver exames não significa que não haja avaliação, pelo contrário. Os alunos são avaliados, mas todos os dias, para percebermos se estão a aprender ou não. Não precisam de fazer diretas para estudar na véspera. E o teste que fazemos não é uma avaliação, é mais uma prova de aferição. A positiva é onde têm de estar todos os alunos. Entre fichas individuais, trabalhos de grupo, projetos, etc., temos 11 elementos que permitem ao professor avaliar de forma mais efetiva, tendo em conta vários tipos de inteligência e formas de aprender. E são mais importantes que um teste, que pode correr mal porque a pessoa dormiu mal de noite.

Como é que ficaram as notas?
Nós não somos uma escola de elite. A nossa média no ensino básico é muito alta. No secundário, coexistem diversas áreas. No ensino regular, temos muitos alunos médios, muito poucos muito maus e muito poucos muito bons. O problema dos ‘rankings’ é que o resultado do exame nem sempre é o resultado do que eles sabem. Imagine que é aluna: se só treinar para um teste, vai ter resultados brilhantes no teste, mas depois se calhar sabe menos de maneira geral. Se o objetivo for entrar na faculdade, aí obviamente tem de treinar para os exames. Mas se o objetivo for aprender, então têm de trabalhar de outra maneira. Este ano temos dois alunos com média de 20. Uma curiosidade que eu tenho é esta: era interessante perceber qual é o curso superior com mais exigência de entrada, e depois desses que entram, quantos de facto acabam o curso.

Alguma vez se sentiu discriminado por ser professor de educação física?
Não, porque ninguém me vê assim. Alguns miúdos acham que eu sou professor de filosofia (risos) porque quando algum professor falta, eu vou lá falar com eles. Todas as turmas têm aulas comigo pelo menos uma vez por ano.

Os miúdos mexem-se menos hoje?
Claro que sim. Não podem jogar à bola, correr... Quando se tem a vida toda supervisionada, só se pode aprender o que os outros querem que aprendam, e isso não lhes interessa. Depois fazem asneiras, hoje todas tecnológicas. Porque o mundo virtual é o único sítio onde não estão controlados. Estão de tal maneira viciados que tocam às campainhas com o polegar (risos). E não têm limites nenhuns, ninguém se preocupa em lhos impor. Do ponto de vista da educação física, os miúdos são cada vez mais totós. Quando começam a jogar vólei, levam com a bola na cabeça (risos).

O que é que os miúdos precisam de saber mais?
Expressar-se. Conversar. Dar-se socialmente com os outros. É curioso que nas empresas os empregadores não procuram quem sabe muito, procuram quem se sabe comportar socialmente. E isso os miúdos hoje não aprendem, porque a paciência, o saber ouvir, o saber conversar, é pouco trabalhado nas escolas. Os pais não falam com eles, eles também não falam uns com os outros, e portanto têm hoje imensas dificuldades na socialização.

O que é que o desporto lhe ensinou?
Duas coisas fundamentais: paciência e trabalho. Isso faz-nos muita falta hoje.

É isso que faz um bom professor?
Para mim, o que faz um bom professor é a paciência e o saber ouvir. Sem estas qualidades, dificilmente conseguirá entrar no mundo dos seus alunos.


Senhor treinador
Adelino Calado formou-se em educação física, e em artes no IADE. Em 2003, quando passou à direção da escola, esta tinha os piores resultados de todo o concelho de Cascais: a taxa de retenção chegava aos 50%, havia problemas de indisciplina, de droga, de atrasos, de não-aproveitamento. Hoje, tudo isto praticamente desapareceu, e o agrupamento subiu imenso na lista. O diretor defende que isto não é obra de uma pessoa: ‘são os professores que fazem a diferença’.

 

Temas relacionados:

Escola no Uruguai: Ensino de Falun Dafa aos alunos

Sistema(s) de ensino humano

O Pequeno Príncipe: O Planeta do Tempo

 

Fonte:
Catarina Fonseca

Activa

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 07:10

A água é de todos