Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


calendário

Janeiro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Pesquisar

 

Mais sobre mim

foto do autor



Mensagens


Comentários recentes

  • Anónimo

    Os ministros e governos deviam ler urgentemente o ...

  • Anónimo

    O estado tuga caótico e histérico como sempre pret...

  • Maria Oliveira

    ha um livro interessante sobre a INTUICAO, que nao...


Notas







Os japoneses obedecem aos pais e não fazem birras

Domingo, 28.01.18

Quem nunca viu uma criança fazendo birra na rua?

Esta é uma situação muito constrangedora para os pais.

Alguns simplesmente ficam inertes, mostrando total falta de habilidade para controlar o escândalo do filho.

Por outro lado, há quem não se envergonhe em dar umas palmadinhas em público.

Foto: curapelanatureza

 

Segundo os psicólogos, bater e gritar não são as melhores escolhas para quem quer ver os filhos crescendo com saúde e bem-estar.

Com isso, também não estamos dizendo que a melhor alternativa é deixar a criançada fazendo o que bem quer.

Para provar que é possível disciplinar os pequenos sem precisar usar a força física ou se desgastar com muito falatório, vamos usar o Japão como exemplo.

Os japoneses são admirados no mundo todo pelo comprometimento que têm com a educação.

Os pais simplesmente não aceitam comportamentos medíocres vindo dos filhos, como: espernear, quebrar as coisas de dentro de casa, mentir ou desobedecer.

Como eles conseguem manter tudo sob controle?

 

O segredo está em duas etapas: 

 

1. Acompanhar o filho em todos os momentos até que ele complete 3 anos de idade.

Isso é muito interessante porque ajuda o bebê a nutrir laços ainda mais fortes de apego e união.

Até na hora de colocar de castigo no banquinho, a mãe (ou o pai) deve ficar ao lado do pequeno.

 

2. Colocar sentimentos nas ações erradas.

Vamos explicar melhor: caso a criança quebre um brinquedo, por exemplo, você não precisa brigar com ela, apenas dizer que o brinquedo foi ferido, machucado.

Faça isso apenas depois dos 3 anos, que é uma idade boa para desenvolver os valores.

A criança se sentirá mais sensível, importando-se mais com o que tem.

Outra dica é incentivar a criança a apreciar o esforço dos pais, seja por uma conquista material ou por boas atitudes.

Não há nada mais maravilhoso para uma criança do que reconhecer que a família proporciona estabilidade financeira e emocional.

Lógico que para isso é necessário muita qualidade de tempo.

 

Fonte:

Cura pela Natureza

Autoria e outros dados (tags, etc)

A água é de todos