Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


calendário

Maio 2018

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Pesquisar

 

Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens


Comentários recentes

  • Anónimo

    Já conhecia essa localidade e continua a ser inter...

  • Anónimo

    Pois mas aquilo não é uma mulher mas sim uma gaja ...

  • Anónimo

    Também acho.


Notas





BPT


Atenção: Este blogue, não visa substituir o seu técnico de saúde de sua confiança!

As informações contidas neste blogue não substitui de forma alguma a consulta de um profissional de saúde de sua confiança. Consulte sempre o seu profissional de saúde sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e bem-estar, bem como os seus tratamentos e outros. Embora sejam tomados cuidados para as informações contidas neste blogue estejam correctas, algumas informações nos artigos deste blogue podem conter erros dos mais variados aspectos, pelo qual este blogue não se responsabiliza de nenhuma forma. Somente uma visita física ao seu técnico de saúde lhe pode fornecer as informações e cuidados que melhor se adequam a si/vc. As informações contidas neste blogue não se destinam a serem usadas como um substituto ou aconselhamento profissional. Quaisquer dúvidas ou preocupações que você tenha sobre sua saúde devem ser discutidas com seu técnico de saúde. Por favor, note que a informação sobre a saúde está a mudar constantemente. Portanto, algumas informações podem estar desactualizadas. Os comentários publicados são da responsabilidade dos seus autores e dos leitores que dele fizerem uso. Os comentários não reflectem a opinião do blogue. Ao visitar este blogue você concorda com estes termos.


A cura

Paracelsus: "O que cura é o amor."

Diálogos de Sócrates: A escrita vs Memória

Sexta-feira, 25.05.18

Em seu diálogo Fedros, o filósofo Platão cita uma história que ele ouviu de Sócrates:
"Na cidade egípcia de Naucratis, houve um deus famoso cujo nome era Theuth. O pássaro de nome íbis era sagrado para ele, que foi o inventor de muitas artes, como a aritmética, o cálculo e a geometria, bem como astronomia, esboços e dados. 
Mas sua maior descoberta foi o uso das letras..."
O deus Theuth transmitiu o dom de escrever ao faraó:
"Isso, disse Theuth, tornará os egípcios mais sábios e lhes dará memórias melhores; e é específico tanto para a memória quanto para o saber."
O faraó viu um outro lado desta invenção maravilhosa e contradisse o deus Teuth:
"... esta descoberta sua criará o esquecimento nas almas dos aprendizes, porque eles não mais usarão suas memórias, confiarão nos caracteres escritos ou se lembrarão por si mesmos. O específico que você descobriu é uma ajuda não para a memória, mas para a reminiscência..."
E, de fato, ele estava certo. Estes textos, de milénios de idade, podem apenas relembrar eventos que, de outro modo, já teriam sido esquecidos. Quem se lembra, por exemplo, que Deus - quem quer que seja ele ou ela - criou outros mundos muito antes da criação da Terra? Pode-se ler isso nas antigas lendas dos judeus.

Imagem: Jorge Freire Póvoas

 

 

Andava um dia Sócrates acompanhado de Fedro. Passeavam, tendo a caminho um diálogo que depois Platão escreveria. Era assim, parece. Sócrates falava, Platão estava presente ou lhe contavam, e ele escrevia. Iam portanto Sócrates e Fedro, e conversavam.

Fedro gostava dos sofistas, os que vendiam seus discursos, sua retórica, sua arte oratória nas cidades. Tinha escutado do sofista Lísias uma oração sobre o amor. O tema não podia ser melhor. E Sócrates estava interessado em, através de Fedro, dialogar com o autor de um discurso tão importante. Pediu. Fedro não se fez de rogado: tirou de dentro da túnica um rolo com as anotações minuciosas da longa fala do sofista. Melhor relato não poderia haver. Mas Sócrates disse não. Fedro que se esforçasse por lembrar. As palavras escritas matam a memória. São um registro/registo frio. Não pensam. São definitivas. Ora, a Memória, Mnemosine, era a mãe das Musas. E sem o trabalho das Musas nada se criava. Nada: da dança à poesia, do teatro à história. Um mundo sem Musas... Sócrates não o toleraria. E pediu a Fedro que enrolasse de volta sua transcrição e levasse adiante, a partir da sua memória, uma conversa sobre o amor. Lísias valia menos do que o amor. Sócrates queria conversar sobre o amor. A partir da memória de Fedro do discurso de Lísias. Mas sobre o amor.

A cultura grega era letrada há muito tempo. O gosto de Sócrates pela oralidade decorria da sua paixão pela vida. A palavra escrita congela. A falada voa. — Sócrates não sabia que Platão um dia escreveria tudo. Ou não teríamos nem essa narrativa do Fedro, o Diálogo. Mas por enquanto nada está fixado em letra. Estão Sócrates e Fedro conversam e são felizes.

Foi só depois, presumivelmente após o assassinato do mestre pela cidade de Atenas, que Platão inventou a forma do diálogo para honrá-lo simulando por escrito as conversas da sua vida. E essa forma literária acabou absorvendo a matéria viva. Deixou, mais ou menos, de importar se Sócrates tinha ou não dito o que, por escrito, Platão o fazia dizer. Os Diálogos, que podem ter começado como registro, viraram textos autónomos. Matéria quase abstracta para pensar. Há mesmo um Diálogo sobre a morte de Sócrates, com o criador da filosofia presente e activo. Chama-se Fédon. Para nós, hoje, é um Diálogo de Platão sobre a morte, no qual Sócrates é um privilegiado personagem. Um grande Diálogo. Um texto.

Aristóteles também escreveu. E como! Devemos a ele a forma do tratado, que só escrito é possível. A filosofia veio a seguir esse caminho. Pode ser um dos motivos pelos quais hoje se diz por aí que ela acabou, ou pelo menos não tem mais importância. Abusou da falta de memória. Aristóteles também escreveu diálogos. Sumiram. Os tratados foram escondidos quando começou a perseguição aos partidários de Alexandre, de quem o filósofo tinha sido preceptor. Foram encontrados por acaso três séculos depois pelos invasores romanos. Um desses livros, o da Metafísica, no fundo de uma adega. Os romanos puseram em circulação os tratados que consagrariam a desvalia da Memória. E nisso fizeram História. A história, filha de Mnemosine, também virou texto. Registro. Ata.

Jesus também não escreveu. Falou de dentro da sua vida. Quem tivesse ouvidos para ouvir, ouvisse. Os evangelistas tiveram. E escreveram seus Evangelhos. Eles não são a Revelação. A Revelação Cristo fez vivendo, morrendo e não morrendo. Sendo, em presença, o filho do Pai. Os evangelistas deram testemunho. Reduziram a texto uma vida que nem a morte reduziu. Não mataram o espírito, porque o Espírito soprou sobre eles. Mas tornaram a Mensagem, por que não dizer, “oficial”. Houve inúmeras narrativas evangélicas. Só quatro se consagraram. As muitas outras foram consideradas heréticas. Exerceu-se o poder, que a palavra escrita permite. Nela é que se luta pelo privilégio da verdade. — Mas, de fato, sem os quatro Evangelhos não saberíamos o que Jesus pregou. Como foi sua vida. E sua morte. E sua ressurreição. Como Platão com Sócrates, os evangelistas puseram uma vida em texto, e a preservaram para nós. Nada mal.

Depois, modernamente, a memória veio a ser entendida apenas como “faculdade da alma”. Ao lado da percepção, do pensamento, da linguagem. Desceu um degrau. Mais recentemente, virou “dimensão cognitiva”. Pode ser estudada autonomamente, como objecto. Experimentada com ratinhos e eléctrodos que medem o cérebro. É genial. Mas Mnemosine desceu mais um degrau. Há muito tempo acabou a idade das Musas. Passamos pela dos museus (que são registros). Parece que até esse acabou.

Imagem:opiniaocentral.

 

Quando a Memória deixa de ser coisa viva a História também entra em sofrimento. Vivemos isso hoje, o sofrimento da História. Vocês não sei; mas eu ando com saudades do tempo em que Sócrates passeava com Fedro e a Memória tecia a carne das ideias.

 

Obs.

"Só sei que nada sei." Sócrates
Dá que pensar.

O grande pensador e filósofo Sócrates não deixou um único escrito. Nem Jesus. Nem Buda. Nem Lao Tsé. Nem o Mestre Beinsa. Nem o Mestre Omraam Aïvanhov.

Conheci vários seres humanos que não sabiam ler nem escrever mas com uma memória muito acima do comum. Uma criança que sem saber ler nem escrever, sabia recitar histórias com todas as palavras exactamente como constavam no livro, após sua mãe lhe ler à noite antes de dormir histórias de livros para crianças. E dois adultos que também não sabiam ler nem escrever mas que tinham uma sabedoria e uma memória prodigiosas.

Hoje temos de facto imensa informação, de jornais, TV e rádio e ainda mais da Ciberrede. No entanto, a maior parte dessa informação está manipulada, deturpada e muitas das vezes essa informação não passa de lixo.

 

PENSAMENTO DO MÊS: LAO-TSÉ

REFLEXÃO DA SEMANA: SER FELIZ

PENSAMENTO DO MÊS

 

De:

Erich von Däniken

Jornal O Globo

Autoria e outros dados (tags, etc)

A água é de todos








Ciência Iniciática

O espírito domina a matéria.