Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


calendário

Fevereiro 2018

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728

Pesquisar

 

Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens


Comentários recentes

  • JM Naturopatia

    Muito interessante...mas parece um pouco confuso p...

  • JM Naturopatia

    Obrigado pela informação...ando a ponderar uma via...

  • Anónimo

    ui se há tanta gaja com as pernas escancaradas,


Notas





BPT



A cura

Paracelsus: "O que cura é o amor."

Os portugueses não aprenderam com o terrível acontecimento de 2017?

Sexta-feira, 09.02.18

Os portugueses parecem não ter aprendido a lição com a catástrofe de 2017!

Oito meses depois, os polémicos eucaliptos estão de volta a Pedrógão

Foto: celuloseonline

 

Eucaliptos voltam a crescer junto à estrada nacional 236, onde morreram 47 pessoas nos incêndios de Junho. A semanas de entrar em vigor nova lei que controla a espécie, está a haver uma verdadeira corrida às sementes.

Foto: noticiasmagazine

 

Quem atravessasse na semana passada a EN 236 não podia deixar de reparar nos eucaliptos que já crescem fortes no meio das cinzas.

As margens do alcatrão que liga Figueiró dos Vinhos a Castanheira de Pera – onde, ao quilómetro cinco, 47 pessoas perderam a vida no incêndio de 17 de Junho – mostram um cenário simultaneamente aterrador e inquietante.

A contrastar com a negritude do arvoredo que o fogo queimou brotam já troncos de metro e meio de altura, verdes e fortes. São eucaliptos, as árvores mais controladas pelo novo plano de reforma da floresta portuguesa.

«A oportunidade de reformular verdadeiramente a floresta está a perder-se a cada dia que passa.»
A lei, que só entra em vigor em Março, proíbe novas plantações de eucalipto, mas não as impede onde elas já existiam. Várias organizações ambientalistas classificam a espécie como «um pasto de chamas».

«O que acontece na EN 236 está a repetir-se por toda a região centro do país», acusa João Camargo, investigador em alterações climáticas e dirigente do Bloco de Esquerda.

«Sabemos que o eucalipto, a menos que seja travado, renasce com maior intensidade nas zonas de incêndio. É o que está a acontecer neste momento. A oportunidade de reformular verdadeiramente a floresta está a perder-se a cada dia que passa.»

Não são só as árvores que nascem espontaneamente das cinzas a causar preocupações entre os ecologistas. Também a procura de sementes melhoradas, produzidas pelas empresas de celulose para cultivo intensivo, está a causar preocupação.

Na semana passada, a TSF noticiava que a corrida para evitar a lei de reforma da floresta estava a esgotar os eucaliptos nos viveiros. Agora, à Notícias Magazine, o presidente da ANEFA (Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente), reforça a ideia.

«Apesar de o governo ter criado um plano transitório para que não se pudessem plantar novas árvores até de Março», diz Pedro Serra Ramos, «sabemos que há muita gente a aproveitar áreas incultas, que deviam estar em poisio, para recuperar o eucaliptal».

O desordenamento florestal voltou em toda a força: há uma corrida desenfreada às sementes melhoradas de eucalipto e as áreas ardidas regeneram sem qualquer controlo da espécie.
Estes pés de árvore, criados em pomares especializados das empresas de celulose, permitem um crescimento mais rápido e denso, rentabilizando cada hectare de terreno. «Juntando este cultivo apressado com a regeneração descontrolada das zonas ardidas, está a renascer uma floresta absolutamente desordenada.»

João Camargo diz que são novamente os interesses das empresas de celulose que estão a ser defendidos na paisagem portuguesa. «É uma indústria sobre-dimensionada, as fábricas não param de crescer e exigem um volume cada vez maior de madeira.»

Pedro Serra Ramos inquieta-se com aquilo a que chama «uma real falta de vontade de mudança» das políticas florestais do país.

«O país continua a apoiar as celuloses e não se criam alternativas para os produtores. Por exemplo, porque não apoiar as sementeiras melhoras de carvalho, que façam árvores mais direitas e com melhores usos para a indústria do mobiliário?»

 

Obs.:

2017 foi um annus terribilis. Com a seca a bater à porta e o calor também irá fazer a sua aparição em Portugal, será que 2018 vai ser melhor que o ano transacto? 
Já no ano 2012 eu escrevi aqui um artigo a alertar, Portugal é o país da Europa que mais arde. Portugal tem um clima muito parecido ao grego, no entanto Portugal chega a arder 5 vezes mais que a Grécia. 
Já que os portugueses parecem não ter aprendido muito com mais de 50 anos de constantes incêndios, os outros países latinos podem se mostrar sensatos e tirar de Portugal ilações ao abandonarem a plantação do malfadado eucalipto, uma árvore que não é autóctone em nenhum país latino e por motivos óbvios é apelidado de árvore-gasolina (eucalipto) na Austrália. Claro, esta árvore não é a unica causa dos incêndios em Portugal mas é certamente um dos principais, além de deixar o país ainda mais seco do que ele já é, faltando mencionar que os terrenos dos eucaliptais são dos mais estéreis que existem.

Consta que em alguns países, a árvore chinesa paulownia tomentosa poderá ter futuro e superar a árvore-gasolina.

Foto: web03.bruns

 

QUIRI, UMA ÁRVORE COM FUTURO

ALTERNATIVAS AOS INCÊNDIOS E AO EUCALIPTO

INICIATIVA: ALDEIA DECIDE ARRANCAR OS EUCALIPTOS PARA EVITAR OS FOGOS

INCÊNDIO: A ÁRVORE MEDITERRÂNICA QUE RESISTE AO FOGO

PORQUE ARDE PORTUGAL MAIS DO QUE TODO O RESTO DA EUROPA?!?

 

Fonte:

Notícias Magazine

Autoria e outros dados (tags, etc)

A água é de todos


2 comentários

De Anónimo a 09.02.2018 às 07:46

Maldito eucalipto e a quem o planta só tem trazido desgraças a Portugal que parece que nada aprendeu.

De Anónimo a 17.02.2018 às 10:14

O estado tuga caótico e histérico como sempre pretende que toda a gente que tenha quintais, quintas e matas que cortem até 15 de março todas as árvores.
Porque não cortar a cabeça do estado logo de vez?

Comentar post








Ciência Iniciática

O espírito domina a matéria.