Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Pesquisar

 

Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens


Comentários recentes

  • Anónimo

    musica da boahttps://www.youtube.com/watch?v=rSFfa...

  • Anónimo

    boa musica tradicional, natureza e harmoniahttps:/...

  • Anónimo

    interessante


Notas





BPT


Atenção: Este blogue, não visa substituir o seu técnico de saúde de sua confiança!

As informações contidas neste blogue não substitui de forma alguma a consulta de um profissional de saúde de sua confiança. Consulte sempre o seu profissional de saúde sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e bem-estar, bem como os seus tratamentos e outros. Embora sejam tomados cuidados para as informações contidas neste blogue estejam correctas, algumas informações nos artigos deste blogue podem conter erros dos mais variados aspectos, pelo qual este blogue não se responsabiliza de nenhuma forma. Somente uma visita física ao seu técnico de saúde lhe pode fornecer as informações e cuidados que melhor se adequam a si/vc. As informações contidas neste blogue não se destinam a serem usadas como um substituto ou aconselhamento profissional. Quaisquer dúvidas ou preocupações que você tenha sobre sua saúde devem ser discutidas com seu técnico de saúde. Por favor, note que a informação sobre a saúde está a mudar constantemente. Portanto, algumas informações podem estar desactualizadas. Os comentários publicados são da responsabilidade dos seus autores e dos leitores que dele fizerem uso. Os comentários não reflectem a opinião do blogue. Ao visitar este blogue você concorda com estes termos.


A cura

Paracelsus: "O que cura é o amor."

Síndrome do encarceramento: O rapaz invisível

Sexta-feira, 11.03.16

 

Durante uma dúzia de anos, Martin Pistorius tornou-se refém de um corpo inerte. Lentamente, recuperou a consciência, reaprendeu a comunicar e é hoje um homem independente e realizado. Era um menino ativo até que um dia o seu corpo deixou de funcionar. Em apenas 18 meses, perdeu a autonomia e ficou condenado à maior das penas. Ficar preso a uma cadeira de rodas para o resto da vida.

Gradualmente, foi recuperando a consciência, ainda que fisicamente se mantivesse incomunicável. Viveu uma década refém do silêncio físico até que, um dia, uma pessoa especial encontrou uma faísca no seu olhar. Martin Pistorius desafiou a ciência, seguiu o sonho de voltar a viver, comunicar e ser feliz.

A batalha foi difícil mas venceu-a. Hoje, licenciado, empreendedor e casado, Martin Pistorius é, aos 39 anos, feitos em 2015, a imagem de um homem realizado, lutador e ambicioso, e «Quando Eu Era Invisível», o livro que escreveu, publicado em Portugal pela editora Nascente, é um extraordinário documento de coragem e esperança.

 

De normal a invisível

Até aos 12 anos, Martin Pistorius era um rapazinho normal, tímido, feliz e saudável. «Adorava eletrónica e o meu talento permitira-me instalar um sistema de alarme para proteger o meu quarto do meu irmão e da minha irmã mais novos, o David e a Kim. Em janeiro de 1988, cheguei a casa, depois das aulas, queixando-me de dores de garganta, e nunca mais voltei à escola», recorda.

«Deixei de comer e comecei a dormir horas a fio», relembra. «Era doloroso caminhar. O meu corpo enfraqueceu à medida que fui deixando de o usar, e a minha mente também: comecei por me esquecer dos factos, das tarefas habituais e até dos rostos. A minha fala foi-se deteriorando, esquecia-me de quem era e de onde estava», acrescenta.

«Proferi as últimas palavras cerca de um ano depois do início da doença, quando jazia na cama de hospital», conta ainda. «Quando casa?», perguntou à mãe. Ao princípio, os médicos pensaram que os seus problemas eram psicológicos. «Passei várias semanas num serviço psiquiátrico», afirma.

«Só quando fui para as urgências, devido a uma desidratação, aceitaram que a minha doença era física. Levaram cerca de um ano a confessar que tinham esgotado as opções de tratamento. Diziam que sofria de um distúrbio neurológico degenerativo de causa e prognóstico desconhecido e aconselharam os meus pais a colocarem-me numa instituição», refere Martin Pistorius.

 

Um lento despertar

Durante vários (longos) meses, Martin Pistorius  fequentava um centro de cuidados mas todas as noites regressava a casa. «Passei anos no meu mundo envolto em trevas. Jazia como uma casca oca, inconsciente.  Até que, certo dia, comecei a regressar. Quando recuperei a consciência, não compreendi plenamente o que me sucedera», desabafa.

«Assim como um bebé que, ao nascer, não sabe que é capaz de controlar os seus movimentos, também eu não pensava naquilo que era ou não capaz de fazer. Os meus pensamentos precipitavam-se sem que alguma vez pensasse traduzi-los por palavras e não percebia que o corpo que via, ora a sacudir-se, ora imóvel, era o meu. Não estava paralisado. O meu corpo movia-se, mas independentemente de mim», diz.

 

O (re)despertar da consciência

Os dias que se sucederam não foram fáceis. «Gradualmente tomei consciência de cada dia e de cada hora. Esquecia-me da maior parte deles, mas havia momentos em que via a história a desenrolar-se. O juramento de Nelson Mandela como presidente da África do Sul, em 1994, é para mim uma recordação nublada, ao passo que a morte de Diana, em 1997, é bem clara», recorda.

«Penso que a minha mente começou a despertar por volta dos 16 anos e, aos 19, ficou de novo intacta. Sabia quem era e onde estava, e compreendia que a minha vida me fora roubada. Para as outras pessoas, que não os meus pais, os funcionários dos vários centros que frequentei, era como uma planta envasada. Toda a gente estava tão habituada a que não estivesse ali que nem repararam quando voltei a estar presente», diz.

 

Um anjo chamado Virna

Durante a batalha, houve pessoas que o marcaram. «Ao princípio só sabia que Virna nunca mostrava os dentes quando sorria. Começara a trabalhar no centro de cuidados como assistente e falava comigo, como faria com alguém da sua idade. Nunca tivera isso antes, parecia que estava a travar a minha primeira amizade», confessa Martin Pistorius.

«Dois anos mais tarde, Virna viu um programa de televisão acerca de uma mulher que fora ajudada a comunicar após ter ficado muda, devido a um acidente vascular cerebral (AVC). Participou num open day de um centro próximo, onde ouviu especialistas explicar o que se poderia fazer para ajudar pessoas que não conseguem falar, e regressou entusiasmada para me contar o que aprendera», diz.

«Usam interruptores e aparelhos eletrónicos para ajudar a comunicar», contou-lhe. «Achas que consegues fazer isso, Martin? Estou certa de que sim. A sua fé em mim era tão forte que o meu dever era compensá-la», escreveu no livro.

 

O regresso à comunicação

Martin Pistorius entrou no Centro de Comunicação Aumentativa e Alternativa (CCAA) da Universidade de Pretória em julho de 2001. «Depois de vários testes, uma terapeuta mostrou-me uma caixa preta, cujo topo estava dividido em pequenos quadrados, cada um deles com um símbolo», relembra. «Isto é um aparelho de comunicação chamado Macaw», disse.  «Se aprenderes a usar os interruptores, vais ser capaz de comunicar», acrescentou.

«A minha vida começa finalmente.  Na companhia incansável da minha mãe, descubro um novo mundo com um computador adaptado e um software de comunicação.  Na altura, era analfabeto  e dependia de símbolos.  Foi uma aprendizagem desafiante e trabalhosa,  à qual dediquei, no mínimo, quatro horas por dia, ao longo de oito meses. Por vezes, era frustrante. Noutras era fantástico. Era a minha única oportunidade», sabe hoje.

 

A entrada no mercado de trabalho

Ao longo de todo o processo, as dúvidas foram uma constante. «Cheguei a um ponto em que era capaz de comunicar bem, mas algo inesperado aconteceu e comecei a pensar qual era o meu objetivo? Posso comunicar, mas é só isto? Ansiava por algo mais. Não sabia como lidar com esses sentimentos», escreve no livro.

«Já tinha acontecido muita coisa, os meus pais tinham investido tanto tempo e dinheiro, que me censurei por me sentir assim. Os meses sucederam-se e, talvez por intervenção divina, as coisas mudaram. Deram-me a oportunidade de trabalhar no centro de saúde que partilha um edifício com o meu centro de cuidados. Estava entusiasmadíssimo. Era o meu primeiro trabalho!», refere, com orgulho.

 

Uma mão-cheia de sonhos

Ao longo do tempo, Martin Pistorius foi conquistando objectivos, como refere no livro que conta a sua história. «Sonhava ter o meu próprio negócio. Faz agora [em 2015] seis anos que tenho uma empresa de web design. Sonhava com um curso universitário. Formei-me em Ciência Computacional na Universidade de Hertfordshire [no Reino Unido]», orgulha-se.

«Fiquei surpreendido e muito grato quando fui escolhido para receber uma bolsa de estudo da Google e pude visitar o seu escritório em Zurique [na Suíça]. Sonhava apaixonar-me e casar. Conheci a Joanna via Skype, apaixonámo-nos instantaneamente e casámos 18 meses depois. Estamos casados há seis anos», revela.

 

A metade que o completa

Ao passar anos isolado do mundo, Martin Pistorius convenceu-se de que ficaria sozinho para sempre. Até que surgiu Joanna. «Nunca conheci uma pessoa que me aceitasse tão completamente e que tivesse tanta paz dentro de si. A Joanna não preenche os espaços vazios entre nós com uma tagarelice sem sentido. Em vez disso, deixamo-nos levar pela corrente ao estarmos simplesmente juntos», sublinha.

«Há certos momentos em que quase salto de surpresa quando ela me toca. Os meus dedos contraem-se quando ela me acaricia a mão, o meu maxilar estremece quando beija os meus olhos. É como se o meu corpo quase não conseguisse acreditar na doçura dela. Nunca tive alguém que gostasse de estar comigo. É o mais simples, mas o mais perfeito, dos sentimentos», refere.

 

Os oito mandamentos de Martin Pistorius

1. Sonhem sempre. Tenham em conta que, seja qual for o sonho, é o vosso.

2. Descrevam-no ou peçam a alguém que o faça por vocês, em palavras ou imagens.

3. Recorram a um amigo, alguém que consiga apoiar-vos e ajudar a alcançar o objetivo.

4. Planeiem as decisões. Pode ser intimidante, mas é preciso começar por algum lado.

5. Se não estiverem seguros do caminho a seguir, peçam ajuda. Falar com alguém pode trazer novas ideias e soluções.

6. Pensem na recompensa que poderão dar a vocês próprios sempre que ultrapassarem cada dificuldade rumo ao objetivo.

7. Falem sobre os vossos sonhos! Nunca se sabe quem estará a ouvir...

8. Por fim, nunca desistam. Não importa o quão inverosímeis os sonhos possam parecer.

 

Fontes:

sapo

Autoria e outros dados (tags, etc)

A água é de todos








Ciência Iniciática

O espírito domina a matéria.